23 de dez de 2011

A printer que é um bólido

Pousou de caminhão, subiu no braço mesmo e foi instalada no fundo infinito do estúdio na Girassol. É um jato de impressora. Última geração de printers para o mercado fotográfico, a qualidade das cópias da Canon ImagePrograf IPF 8300, equipamento que começa a ganhar o mercado, é impressionante. A agilidade, o tempo de impressão de cada imagem, também chamam a atenção. Uma foto 90cm x 60cm do Anderson Schneider, da exposição 'Brasília Concreta', acabou de sair. O que levaria aproximadamente 40 minutos na impressora do concorrente, na Canon saiu em menos de 8 minutos. É rápida, tem qualidade enorme e custo benefício. Informações técnicas no site oficial da ImagePrograf: www.canon.com.br/Produtos.aspx?s=3&pro=148


Ao lado, uma das fotonas da exposição do Anderson Schneider no Banana Verde.
Abaixo, Marcelo D'Alessio, Marcel Gallo e Vitor Marim, staff Canon, acompanhados de Pietro Ghiurghi e Armando Prado.

22 de dez de 2011

Documento oitentista



Dos arquivos do meu brother Elisabetsky lá dos anos 80 principalmente, mas também dos 90, selecionamos entre 20 e 30 fotos que resgatam a calça jeans acima do umbigo, o corte da cabelo sobre as orelhas e outros modismos que já podemos assinar como ‘de época’. As fotos de Galisteu, Maitê Proença, Paulo Miklos, José Mojica Marins, JR Duran, Scandurra, Tiazinha, Roberto Freire, Rita Lee, Zé Simão, Xico Sá... serão expostas no restaurante Rothko, do chef  gente fina Diego Belda. As imagens que estão indo para a parede são todas polaroids originais, aquelas de acerto de quadro e luz que se fazia naquele tempo antes de uma session analógica. O Rotko fica na Rua Wisard, 88. Vale a pena também pelo cheeseburger, muito bom! Olha que programa legal. Abaixo José Mojica, um aperitivo.   FCN









MANIFESTO pelo tombamento da Vila Madalena.

Participe do movimento pela preservação do bairro
A Mostra SP de Fotografia com o apoio da comunidade fotográfica de São Paulo, do comércio da Vila Madalena e dos habitantes do bairro, lança a campanha para a ação popular pelo tombamento da Vila Madalena. Uma iniciativa da sociedade civil em defesa do bairro que vem vem perdendo suas características para dar lugar a edifícios residenciais, comerciais e até shoppings centers. Isso ocorre, até onde sabemos, sem que haja qualquer projeto de impacto sobre o trânsito, sem nenhuma atitude para a preservação da memória de um cartão postal da cidade de São Paulo, atração turística nacional e internacional sem vocação para se transformar num bairro vertical. Esta ação popular tem como objetivo preservar e proteger a Vila Madalena, que faz parte da história de São Paulo, patrimônio histórico e artístico do Brasil. Essa é a plataforma desta 3a, edição da Mostra. Acompanhe por aqui a movimentação desta ideia. E em breve coloque o seu nome num dos livros que estarão à disposição da população num dos locais abaixo. Participe! 
Nós queremos tombar a Vila Madalena: Bares Posto 6, Patriarca, Salve Jorge, Armazém Piola, Jacaré Grill, Galeria Ímpar, Delices de Maya, Agá Presentes, Frida Trends, Japonique, Espaço Soma, Tag & Juice, Espaço Ophicina, Galeria Fass, restaurante Martin Fierro, lojas Fernanda Yamamoto, Ronaldo Fraga e UMA, Namidiacom Assessoria de Imprensa, restaurante Florinda, Back Gastrobar, restaurantes Banana Verde, AK, Rothko, Pira Grill e Adelaide, Fahrer Design, agências Subvert, EOU Mkt Direto, blog Árvore da Vila, Gesto Comunicação, agencias fotográficas Revelar Brasil e Sambaphoto, blog Olhavê, Atelier Carlos Motta, Centro Cultural da Vila Madalena, Bardot Hair Body & Soul, Carlos Motta Atelier, Edgard Scandurra e tantos outros.  
Abaixo nota publicada hoje, 21 /12 na Folha de S. Paulo.


Quarta-feira, Dezembro 21, 2011


NOVA CARA DA VILA - MÔNICA BERGAMO

FOLHA DE SP - 21/12/11
Quatro casas na rua Aspicuelta próximas à Girassol, na Vila Madalena, serão demolidas. Em uma

delas funciona a loja de Ronaldo Fraga. O arquiteto Luigi Fiocca, dono dos imóveis, conta que pensou 
em fazer ali um minishopping, mas desistiu. "Temos o projeto de um prédio de escritórios, de 
quatro andares, com um jardim público no térreo", diz. "Seguiremos a linha da nova arquitetura. 
Estamos salvando o bairro. A tendência geral é de muitos prédios se formando."

TODOS PELA VILA
O projeto de um prédio na Aspicuelta deu vida ao Movimento pela Vila, que pede o tombamento

 de uma parte do bairro. Quem coordena a ação é o fotógrafo e empresário Fernando Costa Netto,
 organizador da Mostra SP de Fotografia. "A Vila não tem vocação para Itaim Bibi e a Aspicuelta não
 pode virar a nova João Cachoeira [rua com muitas lojas e pequenos centros comerciais, além de
 prédios de escritórios]."

ABAIXO-ASSINADO
Costa Netto diz que o movimento recolherá assinaturas em um abaixo-assinado. O músico Edgard

 Scandurra, morador da Vila há 12 anos, e o arquiteto Carlos Motta, no bairro desde 1975, apoiam.
 "Verticalizar não é somente derrubar o acervo cultural existente no bairro mais charmoso de SP. 
É violentar um dos poucos espaços que ainda preservam uma memória arejada no sentido amplo,
 cultural", diz Motta.

18 de dez de 2011

João Bittar, 1951 - 2011




Difícil dizer qualquer coisa, apenas o vazio pela perda do gentleman da fotografia. Fica com Deus, João. Abaixo algumas imagens feitas por ele do metalúrgico Luis Inácio no final dos 70, início dos 80.



16 de dez de 2011

Parabéns São Paulo!


Ali, debaixo do mesmo céu, 3 milhões se orgulham de terem a maior Parada Gay do Mundo. Ali, alguns levam porrada por serem o que outros não são e não aceitam que sejam. Intolerância. Ali não se pode beijar, abraçar ou andar de mãos dadas. Intolerância. Ali existe a guerra diária por não saber se passaremos ilesos a algum ataque. Ali, naquele barulho do vai e vem de milhões, existe o silêncio da impunidade, da intolerância, da intolerância, da intolerância... Ali, onde todas as nacionalidades se cruzam existe intolerância. Intolerance. Intoleranz. E impunidade.
Não se pode esquecer os rótulos que já mataram tantos, feriram muitos e ainda estão por aí, na espreita, esperando uma vítima qualquer. A história se repete. E a impunidade também.
Carlos Dadoorian, especial para a gente.




O projeto “Parabéns, São Paulo!” é composto por uma instalação com lambe-lambe. São aproximadamente 50 fotografias feitas a partir das imagens captadas por câmeras de vigilância e depoimentos das vítimas dos ataques homofóbicos na Av. Paulista e arredores. Também pelo "Oratório", filme com referências à intolerância contra os judeus e menção ao genocídio armênio de 1915 utilizando a música “Lullaby” de Avétissian Khatchatour. Também com cenas dos ataques na Av. Paulista; Duração de 3'39”. Realizado em dezembro de 2011. 

Na foto Pietro Ghiurghi e Dadoorian, que foi aprovar seus prints.

8 de dez de 2011

Garapa estuda 'deslocar' a Vila Madalena.


Recentemente o Coletivo Garapa surpreendeu com o trabalho “Deslocamentos”, uma série  de fotonas coladas em pontos escolhidos da cidade. A partir de uma coordenada de origem e a 20km, 30km de um ponto de partida em linha reta a partir da coordenada de origem tal, por exemplo, descobrimos que veríamos uma linha de trem em Marsilac [acima] não fosse pelas construções obstruindo a paisagem. Ou que a -23 4416 - 46.6547 temos uma parede verde de Mata Atlântica lá longe na Cantareira. Num resumo visual o resultado desse trabalho são lambes bucólicos pregados em pontos nervosos da cidade, como a pilastra do Elevado Costa e Silva ou a parede do Viaduto Pacaembu.
A rapaziada do Garapa está preparando uma série Deslocamentos para Vila Madalena, trampo especial para a Mostra. Esta semana conversamos com o Leo Caobelli.

O COLETIVO.
Somos em 3: eu, Paulo Fehlauer e Rodrigo Marcondes, todos jornalistas. Em 2007 eu e o Rodrigo conhecemos o Paulo na Folha de São Paulo. Em muitas "reuniões" no Folhão [bar em frente ao prédio da Folha], nosso assunto principal girava em torno de como dar saída a todo material que produzíamos diariamente [em média 3 pautas por dia] e que emplacava uma ou duas imagens no jornal. Como o Paulo já tinha experiência com web desenvolvemos um site e fomos publicando histórias feitas para a Folha e também materiais que começamos a criar no tempo livre. Assim conseguimos criar o coletivo e conquistar espaço até dentro da redação. Nas eleições municipais de 2008 produzimos 2 especiais multimídia para o jornal. Em 2009 saímos da Folha e nos dedicamos ao nosso primeiro ensaio autoral, o Morar, sobre a desapropriação do edifício Mercúrio. A pouco retomamos essa história para entender como o fato ocorrido no início de 2009 tinha impactado a vida dos moradores e da região passados quase 3 anos depois.
         O NOME.
         O nome saiu numa dessas reuniões no Folhão. O Rodrigo mandou "Garapa" e fechamos na hora! Soava bem, era regional, brasileiro e gringo ia conseguir falar! Além de tudo, o suco da cana de açúcar era o primeiro passo pra dar origem a cachaça, companheira de todas as reuniões no Folhão.
         DESLOCAMENTOS.
         Idéia em coletivo é algo que não tem muita origem definida, elas vão surgindo em conversas, trabalhos, discussões... Lembro muito do Paulo falar que Marsilac parecia outra cidade depois de ter feito algumas pautas pra Folha. Gravando depoimentos para uma ONG voltamos ao mesmo bairro e fomos entendendo cada vez mais os limites da cidade... a semente da idéia estava lá, em gestação, quando a Sil, uma das sócias da Frida (http://www.frida.net.br/) nos chamou a atenção para um edital de intervenção na cidade. Redigimos o projeto pensando nessa cidade que se desconhece, nos limites de uma São Paulo enorme e no fato de habitarmos uma das maiores metrópoles do mundo, mas reduzirmos nosso cotidiano a 4 ou 5 bairros pelos quais circulamos. Queríamos que o centro de SP fosse um marco dessas distâncias deslocadas, paisagens desconhecidas, o projeto nasceu assim.
          PARA A MOSTRA.
         Para a Vila Madalena nossa idéia é de ampliar o horizonte. E se as construções que vemos na rua não estivessem no nosso campo visual, o que enxergaríamos? A idéia é dialogar com a densidade do bairro e seu passado de grande fazenda dividida entre 3 irmãs que hoje são bairros (Madalena, Beatriz e Leopoldina). Por morar na Vila tenho caminhado pensando não só em um muro bom, mas qual deles pode descortinar esse horizonte que buscamos. Por enquanto ainda estamos mapeando. 

6 de dez de 2011

Vânia Toledo e o totó Yoda, em homenagem ao orelhudinho de Star Wars...

... Mestre da Ordem Jedi. Mas o tema aqui é outro.

Vânia irá expor pela primeira vez na Mostra SP de Fotografia. O trabalho selecionado por ela é uma série PB de detalhes da arquitetura da cidade, imagens inéditas. As fotos foram feitas durante uma caminhada a pé da Praça da Sé a República. Ou vice e versa. O local, provavelmente será o Salão Bardot, na rua Girassol, um galpão lindo que é a cara do bairro.


Nesta foto, em sua casa.

5 de dez de 2011

Galeria Experiência e os rios da Vila Madalena


A meninada conceitual da Galeria Experiência está mapeando os rios da Vila Madalena. A partir da radiografia dessas veias enterradas pela urbanização a partir dos anos 40, o Experiência irá propor um trabalho para a edição 3 da Mostra. Armando Prado, Mônica Maia e eu conversamos com a Juliana, Davi e Daniel sobre o Coruja e o Verde, dois rios que correm por baixo do asfalto e que em dias de chuva de verão teimam em inundar a Girassol, a Medeiros de Albuquerque e outras ruas. Toda essa região foi construída sobre imensa bacia hidrográfica. É um ótimo debate do coletivo realizado em parceria com José Bueno do projeto Rios e Ruas.

3 de dez de 2011

Carlos Moreira expõe na FASS.


Confirmada a estreia da Galeria FASS como ponto expositivo da terceira edição da Mostra SP. A curadoria é de Diógenes de Moura, cidadão de primeiríssima classe, sobre o trabalho do fotógrafo, professor e “laiqueiro” Carlos Moreira. Diógenes provavelmente debruçará sobre as fotografias PB feitas entre 1964 - 2004 do autor, um dos maiores representantes paulistanos da imagem. Estamos bastante orgulhosos.

Nesta foto, Diógenes de Moura [dir.] e Pablo di Giulio, sócio da FASS com sua mulher Mônica Vendramini.

12 de nov de 2011

Tudo acertado para a 3a. edição da Mostra SP de Fotografia

Jameson [Pernod Ricard] e Canon do Brasil são os patrocinadores master da 3a. edição da Mostra SP de Fotografia. Este ano serão 30 exposições simultâneas, 4 delas outdoor. Além de galerias, lojas, bares, restaurantes e espaços culturais do bairro, a Mostra também irá ocupar fachadas e laterais de prédios, num acordo firmado com a Prefeitura de SP. Até o fechamento deste texto os fotógrafos convidados para a 3a. Edição da Mostra São Paulo de Fotografia são José Bassit, Vania Toledo, Anderson Schneider, Paulo Vainer, Carlos Dadoriaan, Felipe Russo, Felipe Morozini, Felipe Bertarelli, Daniel Kfouri, Ignácio Aronovich e Louise Chin [Lost Art], Carlos Moreira, Fernando Martinho, Roberto Wagner, Lufe Gomes, Marcelo Soubhia/ Fotosite, Márcio Távora e Jaime Scatena. Um trabalho inédito do mestre Otto Stupakoff irá ocupar um dos espaços e é a surpresa que guardamos para divulgar em breve. Cada dos convidados irá apresentar um conjunto de imagens inéditas ou não, mas que enfoque obrigatoriamente alguma face da nossa cidade em qualquer tempo em qualquer formato. A curadoria desta terceira edição está sendo feita pelo professor Armando Prado, Alexandre Belém e Mônica Maia. A Mostra São Paulo de Fotografia traz e cria ano a ano um documento de São Paulo por meio da fotografia, seja da área de moda, arquitetura, fine art ou fotojornalismo. Desde o início do segundo semestre centenas de trabalhos vêm sendo selecionados pelo conselho curatorial.

Na foto acima, Leka Mendes, Mônica Maia, Ernani Jr. Antonio Bonfá, Fernando Costa Netto, Ivan Shupikov, Armando Pado e Alexandre Belém

25 de out de 2011

É OFICIAL: CANCELADO O PRÊMIO PORTO SEGURO DE FOTOGRAFIA


A 11a. edição do Prêmio Porto Seguro de Fotografia não acontecerá em 2011. Uma mudança na lei do MINC fez com que o já tradicional prêmio da fotografia brasileira pulasse 2011, uma edição. Segundo a organização tudo volta ao normal em janeiro de 2012. Tão estranho quanto a não realização do evento sério e bem produzido que sempre foi o Porto Seguro de Fotografia, é a falta de informação. Até hoje, 24 de outubro, nada ainda foi declarado oficialmente por quem deveria informar, faz meses que pelo telefone de contato do site da Porto uma mensagem eletrônica atende com um irritante “deixe um recado após o bip”. Sandra Ramos, diretora da Manufatura de Arte, empresa que desde a primeira edição produz o evento, entregou que todos ainda acreditavam na realização da edição 2011 e por isso, até hoje, nada havia sido divulgado. No lugar, como ‘prêmio’ de consolação, este ano o Sesc Bom Retiro divulgará ainda esta semana que uma exposição vai acontecer em suas dependências com parte do acervo da Porto.  Batizada “Entorno- Diferenças e Reciprocidades”, esta mostra, inspirada na primeira edição do Porto Seguro, é um recorte do acervo da Porto e focado na reflexão sobre o patrimônio cultural brasileiro.  Os artistas convidados são Alice Brill, Cássio Vasconcellos, Cláudio Edinger, Coletivo SX70, Cristiano Mascaro, David do Carmo, Eduardo Castanho, Guilherme Maranhão, Luciana Beneduce, Luciana Mendonça, Paulo César Rocha, Ricardo Hantzschel e Tom Lisboa.
Exposição:  Entorno - Diferenças e reciprocidades
Abertura: 10/11/2011 -19h30 - SESC Bom Retiro
Confira também os ganhadores e temas das 10 edições do Porto Seguro de Fotografia realizadas desde 2001: http://www.atitudespositivas.com.br/fotografia2010/ganhadores_anteriores.php?canal=7 

FCN

18 de out de 2011

CARNE DE PANELA COM LEGUMES

Hoje tive o prazer de almoçar com este cidadão carioca chamado Walter Firmo, autor de uma das produções de maior qualidade da fotografia brasileira. No currículo as duas escolas mais importantes do fotojornalismo brasileiro, o jornal Última Hora e a revista Realidade, passando por dezenas de outras. Walter é uma espécie de Miles Davis da fotografia, vai se reinventando, surpreendendo e o material antigo nunca expira e como uma boa cachaça, quanto mais velha melhor. Walter está produzindo um ensaio especial para a ediçào 3 da Mostra SP de Fotografia e sem fazer mistério entregou o tema: a chuva em São Paulo e como ela enche de poesia a nossa cidade. Gostei. FCN

30 de set de 2011

Boteco e Fotografia

Apesar da noite fria fora de hora em São Paulo, foi extremamente agradável a noite desta última quarta feira de setembro durante a abertura da coletiva #InstaSampa no Armazem Piola. A exposição organizada pela Monica Maia, com snapshots de São Paulo de 30 fotógrafos reuniu mais de 300 pessoas no Armazem Piola. Parte da turma era de selecionados para a coletiva: Toni Pires, Rosa Passos, Tiago Moraes, Roberto Setton, Paulinha Dias, Paulo Henrique Pampolin... e alguns outros anônimos.Todos tiveram suas fotos editadas pelo Rafa da Cia de Foto. Representantes da Canon e da Sony também passaram por lá para conferir os trabalhos. Em se tratando de uma casa com o DNA do Piola, o coquetel não poderia ser diferente e menos delicioso, as mini pizzas estavam de arrasar, as caipirinhas idem. A exposição vai até o dia 20 de outubro e todas as fotos estão à venda por $240. O contato é revelarbrasil@gmail.com. Confira as fotos da exposição #InstaSampa na matéria publicada na revista MAC+:  http://macmais.terra.com.br/noticias/conheca-a-exposicao-instasampa/
.

29 de set de 2011

Armando Prado comenta a exposição "Extremos". Assista.

Até 27/11, o Instituto Moreira Salles-SP, em parceria com a Maison Européene de la Photographie, traz ao Brasil a exposição Extremos: fotografias na coleção da Maison Européene de la Photographie – Paris. São 100 imagens que representam situações extremas da história, das sociedades, dos indivíduos e dos costumes ao longo dos últimos 65 anos, todas registradas pelas lentes de grandes nomes da fotografia mundial.





Instituto Moreira Sales, SP. Rua Piaui, 844, Higienópolis
Até 27/11 Grátis.

23 de set de 2011

NA FEBRE DO INSTAGRAM

Das cerca de 1200 fotos recebidas apenas 30 foram selecionadas pelo Rafael Jacinto da Cia de Foto para a exposição #InstaSampa. Quarta feira que vem, dia 28 de setembro, o distinto público que comparacer no Armazem Piola terá oportunidade de ver uma coletiva com fotos feitas a partir de "ái fones" tratadas pelo aplicativo que é um sucesso urbano, o Instagram. O resultado é belíssimo. A organizadora desse evento, a Monica Maia, também é. A produção deste movimento é da Revelar Brasil. Aguardamos todos, apareçam. O Armazem Piola fica na Rua Aspicuelta, 547, na Vila Madalena, exatamente em frente ao Salve Jorge. Todos os trabalhos estarào a venda por $240.

15 de set de 2011

Um grande investimento



Na cidade das boas compras, a “comemorative issue” da TIME Magazine sobre os 10 anos do 11 de setembro saiu só U$6,99. É um grande investimento pelo que traz nas suas páginas.Uma edição especial de jornalismo conceito, com apenas 4 capítulos divididos em 64 páginas editoriais e zero de publicidade, na sua melhor manifestação. O primeiro é batizado “The Day the Tower Fell” com fotos de James Nachtwey sobre o dia 11 e os seguintes dos ataques. Imagens já vistas, mas que deveriam ser revistas todos os anos nao apenas pela importância documental mas pelo olhar sofisticado de Nachtwey. O segundo é “Portraits of Resilience”, 28 retratos em fundo neutro de Marco Grob com pequenos depoimentos de pessoas que de algum modo tiveram suas vidas afetadas pelo evento. De Bush e Giuliani ao iraquiano que perdeu os dois braços ao ter sua fazenda de gado bombardeada por engano no Iraque. De sobreviventes das torres aos caras que criaram o “Tribute in Light Years”, o laser que sai de onde as torres moravam em direção ao espaço, do algeriano que ficou preso 4 anos só porque estava no lugar errado na hora errada, são 28 histórias diferentes. Na sequência o capítulo “Rising Up” com fotos de Joel Meyerowitz mostra a locação dos atentados sendo ressuscitada, e um texto assinado pelo jornalista e escritor Kurt Andersen fecha a edição.“Terror Half Life” é uma reflexão sobre as mudanças que ele afirma não existiram no curso da vida em NY e na América depois dos atentados em NY e Washington. Essa edição de TIMES é a tradução formidável de que a vida de um bom repórter, um bom editor, um bom fotojornalista, é fundamental para a nossa história. [FCN]

Abaixo alguns retratos de Marco Grob














14 de set de 2011

PIIOTOS WTC_ 1973 - 2011 As duas aberturas SP - NY

As duas aberturas da exposição PIIOTOS WTC_1973-2011 no Espaço Soma, em São Paulo [acima], no dia 1 de setembro...
... e na 1500 Gallery, Nova York [abaixo], no dia 7, reuniram um ótimo público e geraram muitas matérias na mídia. A idéia da mesma exposição nas duas cidades fez sentido principalmente pelo caráter de homenagem do projeto e de artistas brasileiros à cidade de NY. A coletiva foi realizada pela Mostra São Paulo de Fotografia em parceria com nosso amigo Fernando Machado e teve diversos apoios especialmente da gráfica Mattavelli, que rodou um lindo catálogo e um lindo pôster desenhados pelo Duda Gayotto do escritório CJ31. São as peças que ficam. O patrocínio do projeto é da Canon do Brasil. Nenhuma outra empresa poderia ter trazido tanta legitimidade a tudo o que foi feito. Foram 3 meses de trabalho e pelo menos uma centena de pessoas envolvidas. Agradeço a todos que de alguma forma participaram desta coletiva inédita. As duas exposições serào desmontadas no dia 17 de setembro, sábado e todas as obras estão à venda. [FCN].

3 de ago de 2011

PIIOTOS WTC 1973 – 2011 SP/NY

Com patrocínio da Canon do Brasil, o Espaço Soma [SP] e 1500 Gallery [NY] recebem exposição em setembro


Em setembro São Paulo e Nova York estarão unidas pela fotografia. Com curadoria de Fernando Costa Netto, idealizador da Mostra SP de Fotografia, 22 fotógrafos emprestaram imagens das Torres Gêmeas, todas feitas entre 1973 – ano da inauguração da Torre Sul – e 2001, duas imagens são posteriores  a 2001, para a exposição PIIOTOS. Uma homenagem de artistas brasileiros à cidade americana.

Uma década após os atentados ao World Trade Center, NY, o projeto reúne em duas exposições fotos de alguns dos mais respeitados fotógrafos do Brasil que viveram, trabalharam ou estiveram de passagem pela cidade. Os textos são assinados pelos jornalistas Costa Netto e Sergio D’Ávila.

Em São Paulo, as paredes do espaço Soma recebem a mostra de 01 a 17 de setembro. Já em Nova York, a exposição acontece de 07 a 17 setembro, na 1500 Gallery, de Alexandre Bueno de Moraes e Andrew S. Klug, especializada em fotografia brasileira.

Entre os fotógrafos convidados estão: Bob Wolfenson, Cassio Vasconcellos, Elisabetsky, German Lorca, Ignácio Aronovich, Paulo Vainer, Tuca Reines, Paulo Fridman, Ivan Shupikov, entre outros. Em cada imagem, a descrição do artista sobre o momento do registro.

PIIOTOS conta com o apoio institucional do Consulado brasileiro em NY e tem como finalidade o intercâmbio cultural entre as duas metrópoles. A realização do projeto PIIOTOS é da Mostra SP de Fotografia.


German Lorca

Paulo Fridman

Bob Wolfenson

São Paulo
ESPAÇO SOMA
RUA FIDALGA, 98 VILA MADALENA
DE 01 A 17 DE SETEMBRO

Nova York
1500 GALLERY
511 WEST 25TH STREET # 607
DE 07 A 17 DE SETEMBRO

FOTÓGRAFOS CONVIDADOS:
Ali Karakas, Ângelo Maciel, Bob Wolfenson, Cassio Vasconcellos, Christian Sievers, Claudio Versiani, Cristiano Quintino, Elisabetsky, German Lorca, Gui von Schmidt, Ignácio Aronovich, Ivan Shupikov, Lufe Gomes, Mario Fontes, Marcelo Pallotta, Paulo Fridman, Paulo Vainer, Roberto Linsker, Rogério Assis, Tuca Reinés, Walter Nicolau e Victor Andrade.

Apoios: Gráfica Mattavelli, Revista Trip, Espaço Ophicina, Sambaphoto, Conjunto 31 Criação e Design, Adriana Bianchi, Pietro Ghiurghi e Posto 6.

21 de jul de 2011

Capas Históricas do JT na V. Madalena

Próxima terça feira, dia 26 de julho, o Armazem Piola apresenta uma nova exposição. Não de fotos dessa vez, mas de capas de jornal. São 28 primeiras páginas históricas dos anos 70 e 80 do paulistano Jornal da Tarde que estarão expostas ao público. Se você acha que o seu trabalho é muito criativo, apareça para ver o que os jornalistas estavam aprontando 40 anos atrás naquele prédio da Marginal.
A vernissage acontece a partir das 20h e vai até sabe lá Deus quando. O Armazem Piola fica na Rua Aspicuelta, 547. Tel. 11 4305 6539. A realização dessa exposiçào é nossa, da Mostra SP de Fotografia.

19 de jul de 2011

ALÔ, É DA TELEFÓNICA.



Gerenciada pela Fundación Telefónica em Madrid, a Coleção de Fotografia Contemporânea da Telefônica é imperdível e está no Brasil pela primeira vez. O espaço onde está abrigada até o dia 18 de setembro é o Tomie Ohtake, em São Paulo. Trinta e seis trabalhos integram a exposição, obras de 1973 a 2007, reflexões sobre o corpo de Marina Abramovich e Cindy Sherman, ou as imagens da escola alemã de Bernd e Hilla Becher e de seus alunos Andreas Gursky, Thomas Struth e Cândida Höffer. A montagem clássica a valoriza ainda mais, com uma apresentação simples e nem por isso simplória. A coleção da Telefônica teve início em 2002 com principais eixos conceituais divididos em arquitetura e o espaço; a paisagem e a natureza; simulacros; e identidade
Até 18 de setembro de 2011, terça a domingo, das 11h às 20h – Grátis
 

Helena Almeida, Seduzir (#9), 2002,Acrlico sobre fotografa pb,194,7x129,5x5cm
Marina Abramovic, Piet, 1993, Cibachrome, 183,6 x 183,6 x 6,8 cm

Candida HFER, Neue National Galerie Berlin VII, 2001, C-Print, 154,5 x 154,5 x 4 cm


 

Exposição: Coleção de Fotografia Contemporânea da Telefônica
Até 18 de setembro de 2011, terça a domingo, das 11h às 20h – entrada franca
Patrocínio: Fundação Telefônica

Instituto Tomie Ohtake
Av. Faria Lima, 201 (Entrada pela Rua Coropés) - Pinheiros SP  Fone: 11.2245-1900




13 de jul de 2011

No Festival de Arte Serrinha arte e fotografia com Márcia Xavier

A artista plástica Márcia Xavier dará uma oficina sobre arte e fotografia no Festival de Arte Serrinha nos dias 28, 29 e 30 de julho. Márcia apresentará seus trabalhos revelando pesquisas de distorção da imagem que inicialmente eram produzidas por aparelhos ópticos e em 1997 foram substituídos pelo uso da água, nas instalações chamadas Olhos D’ Água. Marcia ministrará ainda aula prática com diversas maneiras de fotografar através da água, além da apresentação da performance Olho d’água.  O festival está em sua décima edição e acontece entre os dias 16 e 31 de julho  na zona rural de Bragança Paulista, a 90 km da cidade de São Paulo. Veja mais aqui.


11 de jul de 2011

ESPAÇO SOMA FAZ 4 ANOS


Dia 7 de julho, quinta feira passada, seis meses depois de fechar para o público para ser reformado, Tiago Moraes [40 quilos mais magro], Rodrigo Brasil, Fernanda Masini e Alex Charro, reabriram as portas do Espaço Soma. A rapaziada que estava órfã se reencontrou ao som incrível do Chankas [Hurtmold]. O Soma é um espaço que faz falta na Vila Madalena e em São Paulo, agrupa um dos públicos mais interessantes da cidade interessado em boa ideia, boa música, boa fotografia, boa escrita, bons livros... Aproveitaram a balada e também lançaram a edição 24 da revista Soma. Bom saber que está tudo igual de novo na Fidalga 98.







O 'Bomra' de Bob, Cristiano, Marlene e Cia de Foto

Abriu neste último dia 5 de julho no Centro de Cultura Judaica, em São Paulo, a coletiva Bom  Retiro e Luz: um Roteiro, 1976 - 2011. [mais infos abaixo]. A exposição que teve 4 olhares sobre um dos bairros da regiào central de SP fica em cartaz até outubro. As imagens de Mascaro e Bob apresentam um Bom Retiro dos anos 70, mais clássico, enquanto as fotografias de Marlene Bérgamo tem um recorte atual e mais cinematográfico da região degradada e hoje ocupada não mais tanto pela colonia judaica como antigamente, mas sim pela coreana. Já o trabalho da Cia de Foto foi o de recupeação e tratamento de imagens doadas ao arquivo de Centro Judaico, assunto que o coletivo domina muito bem. Para a seleçào de imagens, o chefão do CCJ escalou Diógenes de Moura, curador da Pinacotea de SP, que entre almoços, cafezinhos e petit dragues, é conhecedor do bairro e está sempre batendo uma pernoca por ali. Abaixo algumas fotos da abertura da exposição.