28 de abr de 2011

Dia 30, sábado, 4h da tarde. É free.

Quem estiver em São Paulo e quiser acompanhar a troca de informações e participar do bate papo entre Armando e Felipe, é só aparecer na Galeria Fauna.


Abaixo algumas das imagens de Felipe Russo expostas na Fauna.





26 de abr de 2011

Dois vídeos, uma homenagem

O nome desse documentário experimemental é "Diary" [o primeiro abaixo] e foi feito pelo Tim Hetherington, um dos dois caras que morreram na semana passada em Misrata, na Líbia, vítima de uma granada. Tem 18 minutos e em alguns momentos tem um clima meio  Apocalipes Now [Coppola pai] e Lost in Translation [Coppola filha]. O Tim também é também autor do documentário "Restrepo", de 2010, que mostra o dia-a-dia dele e do Sebastian Junger, outro repórter de guerra, numa série de reportagens para a revista Vanity Fair. Eu conheci o Sebastian em Sarajevo em 1993, voamos juntos da Croácia para a capital da Bósnia, acho que era a primeira cobertura de um conflito armado que ele fazia. Hoje o Sebastian é um dos mais experientes jornalistas que cobrem esse tipo de assunto e se especializou em Afeganistão. Quando não está lá, Sebastian fica  baseado em Nova York, onde é sócio de um simpátco bar em Chelsea chamado The Half King [www.thehalfking.com] 
Fernando Costa Netto
Diary
 Restrepo

17 de abr de 2011

Geração 00 no SESC Belenzinho

A entrada do Sesc Belenzinho tem uma agradável pegada californiana. 

Ivan e eu estivemos ontem na abertura da coletiva Geração 00. Mesmo se fosse tudo um desastre já teria valido a pena por ter conhecido um lugar como o Sesc Belenzinho, que eu não conhecia, o Brasil que eu gostaria que existisse em cada esquina e que fosse para todos. Os trabalhos expostos nas paredes apresentam uma fatia da fotografia nacional em diferentes suportes. A comunidade prestigiou, muita gente estava lá, a nova e a velha geração, estudantes, muita gente jovem interessada na imagem e nas diferentes formas de captação dela. A maioria das exposições da safra 00 é linda, uma mais outra menos, obviamente, e a montagem, impecável. O evento faz parte da programação da Virada Cultural de SP e tem 30 horas de abertura!
Na sequencia, um registro rápido do início da noite de ontem, segunda e terceira horas desta abertura. 16 de abril de 2011. 
Fernando Costa Netto
 
Bruno Faria é artista da Casa Triângulo. Ilha é o nome deste trabalho.

Rafael Assef passou a navalha nessa mocinha também.

O mineiro Thiago Rocha Pitta Herança e 'Herança', obra de 2007. 

A fotona suspensa de Claudia Andujar

Eder Chiodetto foi quem curou a Geraçào 00

15 de abr de 2011

Entrevista com Gustavo Lacerda, no Olhave

 Patricia 2009
"O mais gratificante tem sido sem dúvida conhecer pessoas, compartilhar experiências e perceber que de alguma forma o trabalho tem tocado na auto estima dessas pessoas. Foi muito bacana por exemplo ver os retratados presentes e super orgulhosos por estarem na abertura da mostra da Coleção Pirelli/MASP no ano passado." (Gustavo Lacerda)

Veja a entrevista completa por Alexandre Belem aqui .

 Italo e Renan 2009

 Thyfany 2009

Geração 00


Eder Chiodetto cura a nova geração. Mas nem tão nova assim
 
De amanhã, sábado, 16 de abril a 12 de junho, o Sesc Belenzinho, em SP, realiza a abertura da exposição Geração 00 – A Nova Fotografia Brasileira.  São cerca de 170 obras, de 52 artistas, realizadas entre 2001 e 2010, primeira década do século 21. A mostra expõe à vista do público o savoir faire de um dos mais antenados especialistas na nova geração em atividade no Brasil, Eder Chiodetto. Toda a pesquisa foi pautada pela busca de trabalhos e autores que, de diversas formas, ajudaram a expandir o repertório conceitual e simbólico da fotografia brasileira nesta década. São artistas que já estavam em atividade nos anos 90, mas que possuem o núcleo principal de sua obra desenvolvido nos últimos anos e outros nomes que despontaram mais recentemente no cenário. Essa nova fotografia, que alguns chamam de contaminada, expandida ou mista, ao romper com a referência bem comportada ao realismo, corrompeu também os suportes e suas funções. Para Tuca Vieira, um dos expositores, é a reação do fotógrafo diante do impacto do excesso de imagens e da facilidade de se fazer fotografia, o que caracteriza esse período.  “É um tempo de total "despolitização" da fotografia e da arte, de individualização, que se reflete nos diários íntimos e nas reflexões, não sobre o mundo, mas sobre o artista diante do mundo”, conclue.  A homenageada desta exposição é Claudia Andujar. A curadoria entende que Claudia se tornou um símbolo desta nova geração ao fazer com que sua obra, inicialmente produzida dentro da seara do fotojornalismo, quebrasse barreiras para ser exibida em galerias e bienais representativas mundo afora.


Lucas Simões
Cris Bierrenbach

João Castilho

Roberta Dabdad
Sofia Borges


Quando: De 16/04 a 12/06/2011  
Onde: SESC BELENZINHO, Rua Pe. Adelino, 1000, São Paulo (SP)
Tel.: 11.2076-9700


Alexandre Sequeira - Belém (PA); Anderson Schneider - Ponta Grossa (PR); Bárbara Wagner - Brasília (DF); Breno Rotatori - São Paulo (SP); Bruno Faria - Recife (PE); Caio Reisewitz -São Paulo (SP); Carlos Dadoorian - Rio de Janeiro (RJ); Cia de Foto - São Paulo (SP); Cinthia Marcelle - Belo Horizonte (MG); Cris Bierrenbach - São Paulo (SP); Daniel Malva - São Paulo (SP); Denise Gadelha - Belém (PA); Ding Musa - São Paulo (SP); Feco Hamburger - São Paulo (SP); Felipe Cama - Porto Alegre (RS); FotoRepórter: O Estado de S. Paulo (SP); Galeria Experiência - São Paulo (SP); Coletivo Garapa - São Paulo (SP); Gisela Motta e Leandro Lima - São Paulo (SP); Giselle Beiguelman - São Paulo (SP); Guilherme Maranhão - Rio de Janeiro (RJ); Gustavo Pellizzon - São Paulo (SP); Guy Veloso - Belém (PA); Helga Stein - Goiânia (GO); Jéssica Mangaba - São Paulo (SP); João Castilho - Belo Horizonte (MG); João Wainer - São Paulo (SP); Jonathas de Andrade - Maceió (AL); Leonardo Costa Braga - Brasília (DF); Lia Chaia - São Paulo (SP); Lucas Simões - Catanduva (SP); Marie Ange Bordas - Porto Alegre (RS); Matheus Rocha Pitta - Tiradentes (MG); Milla Jung - Curitiba (PR); Odires Mlászho - Mandirituba (PR); Patricia Gouvêa - Rio de Janeiro (RJ); Pedro David - Santo Dummont (MG); Pedro Motta - Belo Horizonte (MG); Rafael Assef - São Paulo (SP); Raquel Brust - Gravataí (RS); Roberta Dabdab - São Paulo (SP); Rodrigo Albert - Belo Horizonte (MG); Rodrigo Braga - Manaus (AM); Rodrigo Torres - Rio de Janeiro (RJ); Rodrigo Zeferino - Ipatinga (MG); Sofia Borges - Ribeirão Preto (SP); Thiago Rocha Pitta - Tiradentes (MG); Tom Lisboa - Goiânia (GO); Tony Camargo - Paula Freitas (PR); Tuca Vieira - São Paulo (SP); Wagner Oliveira - Rio de Janeiro (RJ)

8 de abr de 2011

Na terra de John Woo



Sábado, dia 9 de abril a Pinacoteca do Estado de SP abre as portas para "Trilogia Vermelha" exposição de Paulo Mancini, Maurício Nahas e Ricardo Barcellos.

O continente vermelho foi retratado pelos olhares diferentes desses 3 caras que vivem [bem] e trabalham [muito] em São Paulo, um made in China coletivo, com 3 estilos de fotografia e 3 tipos de abordagem nas ruas desse país superfotogênico. São 65 fotos ampliadas e expostas, em cor e preto e branco, curadas pelo Diógenes de Moura. Passeio diverso que deve agradar o netinho e o vovô.


Quando: 9 de Abril a 3 de Julho.

Onde: Pinacoteca do Estado: Praça da Luz, 2 Fone 11. 3324 1000




7 de abr de 2011

SP - Uma cidade de todos

R. Alagoas - Faap


TEXTO E FOTOS FERNANDO COSTA NETTO
A frota automobilística de São Paulo completou esses dias 7 milhões de carros e motocicletas. Vivemos no sexto maior conglomerado do planeta. Vinte milhões de seres heterogêneos vão e voltam 24 horas por dia e dão forma a quarta maior aglomeração urbana do mundo, uma rua e um trânsito mal educados e não recomendados para pessoas muito tímidas. Em um minuto você pode dar um beijo em alguém e tomar uma surra do asfalto. Uma cidade temperamental, geralmente infernal e barulhenta, com altos índices de poluição. Para a gente, o conjunto dessas vias desnudadas, transmite a sensação do surreal, de algo fantasmagórico, como num filme de ficção científica pós apocalipse.
Esquecendo todo o resto e analisando apenas o espaço, São Paulo pega dessa forma desagasalhada se mostra uma cidade até que verde e humana, digna de pensamentos interessantes. E se essa revolução não tivesse volta? E nós, consumidores de gente, como que fazer para devorar um semelhantezinho? Sobre o que a Folha de São Paulo iria falar amanhã? Ou quem os vereadores iriam enganar? Privados da progressão fulminante da vida moderna, a gente ia enlouquecer na boa, de repente livres das garrafas PET, das filas no Bradesco, do louco com o treizoitão [agora aposentado pela PM] na mão, do excesso de informação, da concentração que um simples cruzamento sob semáforo vermelho exige do motorista... e retomaríamos a um ritmo mais uruguaio de vida, que não sei qual é, nunca estive lá, mas me disseram ser de uma calma insuportável.
 
Este ensaio foi feito em 3 manhãs enquanto São Paulo curtia a ressaca das festas do final do ano e do feriado prolongado. Peguei o carro e dirigi pela Marginal Pinheiros, Rebouças, Amaral Gurgel, Pacaembu, Sumaré, Faria Lima, Dr. Arnaldo, Heitor Penteado... e testemunhei a cidade sem viv’alma, sem automóveis circulando, um corpo livre do diabo. Essas fotos são puras, não há retoque de photoshop ou de qualquer programa de edição de imagem. Foram feitas com uma câmera Canon G10 e apenas tiveram as cores tratadas pela Carol, lá da Cia de Foto. No total são quase 40 espaços vazios na cidade. Aqui publicamos apenas algumas delas.
   

Av. Sumaré

R. Augusta X Al. Tietê

Av. Pacaembu

Av. Nações Unidas

Ladeirão do Pacaembu - R. Desembargador Paulo Passalacqua
 
Av. Paulista - Túnel José Roberto Fanganiello Melhem


Túnel Pacaembu