28 de fev de 2012

Vencedor do Concurso Instasampa_Jameson sai dia 6 de março

    Seis horas de trabalho para selecionar 30 imagens finalistas. O vencedor será conhecido no dia 6 no Posto 6

Armando Prado, Mônica Maia, Alexandre Belém e Fernando Costa Netto debruçaram sobre a mesa e em frente ao Mac e ‘inspecionaram’ 5.900 imagens de São Paulo enviadas para a rede Instagram com a hashtag instasampa_jameson. O material foi postado durante os 30 dias da 3a. edição  da Mostra SP de Fotografia. Um número recorde de fotos de SP, provavelmente a maior concentração de fotografias da cidade, numa só plataforma. Foi uma tarefa difícil julgar e tirar apenas 30 delas para a análise do segundo corpo de jurados, entrega o professor Armando Prado. Desde segunda feira, 27 de fevereiro, o Secretário de Cultura do Estado Andrea Matarazzo, o curador de fotografia da Pinacoteca Diógenes Moura, o editor da revista Zum Thyago Nogueira, Geórgia Quintas, professora, pesquisadora da imagem fotográfica e coordeandora de pós graduação da FAAP e Pio Figueroa fotógrafo da Cia de Foto analisam os trabalhos finalistas.
O prêmio do concurso instasampa_jameson é uma passagem para Nova York com direito a um acompanhante, traslado e uma semana de hotel pagos. O sortudo será conhecido no dia 6 de marco, terça feira, no Posto 6, a partir das 20h. O  prêmio é oferecido pela marca de whiskey Jameson. Apareçam.


19 de fev de 2012

A primeira edição da Veja e Cristiano Mascaro/ DEDOC da Editora Abril.



"O ovo veio antes. Estourou na cabeça de um estudante. Depois vieram outras explosões, de coquetéis Molotov, bombas, rojões, mais tiros de revólver, para transformar um pedaço da Rua Maria Antônia, no centro de São Paulo, num campo de batalha... " Reportagem completa no link http://veja.abril.com.br/arquivo_veja/capa_09101968.shtml

    Foto Cristiano Mascaro/ DEDOC

     Os textos longos evidenciam a formação jornalística consistente baseada em muita leitura e nos transportam como a literatura faz. Assim se fazia jornalismo nos anos 60 e 70 nas redações de Veja, Realidade, O Cruzeiro e outras boas publicações. Os textos estão longe dos herméticos encontrados hoje em dia nas páginas das revistas mensais e semanais de informação. É como tomar a água de coco Kerococo e depois a da fruta, 'credenciais' completamente distintas. Cristiano Mascaro estava em campo em 1968 pela Veja. A passagem pela redação durou 4 anos, foi até 1972 e cobriu política, rua e as artes antes de se dedicar a arquitetura. As fotos de Mascaro no fim dos anos 60 e início dos 70 publicadas aqui foram extraídas do DEDOC- Departamento de Documentação da Editora Abril-, o mais completo arquivo jornalístico do país].
Vendo esta primeira edição da Veja, igualmente interessante é a publicidade dos anos 60. Aos que tem menos que 30 anos, um exemplo de como alguns mercados se comportavam. A indústria de cigarros, por exemplo, deitava e rolava. As marcas Hollywood, Charm e Minister eram algumas das mais populares. Minister aparece na quarta capa desta edição de número um. "Gente que sabe o que quer fuma Minister" foi a campanha da Souza Cruz logo na sequência dessa que associava o tabaco sem nenhuma vergonha e pudor a sensualidade, a hábitos saudáveis, virilidade, esporte. Naquela época a importação de qualquer produto era proibida. Um bom scotch White Horse, clássico da época, só de contrabando e custava uma bala. Quem não era amigo do rei, nem uma coisa nem outra tinha que se virar com os 'made in Brazil' e marcas como Drurys, Old Lumquar, Natu Nobilis era o que havia disponível no mercado, o que aparecia nas páginas de publicidade das revistas. A moda era assunto para os costureiros Clodovil e Dener [a palavra estilista foi inventada mais tarde]. Eles eram as fontes dos jornalistas especializados, somente eles repercutiam se as mulheres iriam se se vestir a la ciganas ou não no verão 68/69, se o decote ia ser mais ousado, se o maiô 2 peças ia esquentar a areia em Copacabana. E a granfinada no eixo SP-Rio que queria estar na crista da onda corria atrás. Sempre bom rever de onde viemos.

Acesse o link para a primeira edição da Veja, 11/9/1968:  http://veja.abril.com.br/acervodigital/?edicao=1&pg=1.

    Caetano Veloso, final dos anos 60. Foto Cristiano Mascaro /DEDOC

                         Clodovil Hernandes, anos 70. Foto Cristiano Mascaro/ DEDOC

    Jorge Ben no festival da TV Tupi. Foto Cristiano Mascaro / DEDOC

15 de fev de 2012

Para Colecionadores.

As fotos de São Paulo expostas nesta terceira edição da Mostra SP de Fotografia estão à venda pelo site Revelar Brasil. Informações sobre quase todos os trabalhos, preço, tiragem...  no link abaixo.  http://revelarbrasil.com.br/site/impressoes/list/30

     Anderson Schneider, 2009.

            Juan Esteves, 2012.

    Marcio Távora, 2011.

    mariagalega [instasampa], 2011.

Galeria Experiência e Rios e Ruas no Posto 6 amanhã.

Amanhã, quinta feira, dia 16, acontece um encontro com Galeria Experiência e Projeto Rios e Ruas no Posto 6. A ideia é confraternizar, expor e colocar a venda a foto da foto. São 4 imagens dos cartazes "Aqui passa o Rio Verde" ação do coletivo nas ruas da Vila Madalena durante a expedição pelo curso do Rio Verde. Isso rolou na abertura da Mostra São Paulo de Fotografia no dia 25 de janeiro. Um encontro de amigos e interessados em fotografia. É no Posto 6 amanhã, dia 16, a partir das 8h da noite. Rua Aspicuelta, 644, Vila Madalena. Apareçam.
Um lambe lambe desses para a posteridade custa só $80. 

14 de fev de 2012

Para japonês ver.

Esta semana a Mostra SP de Fotografia foi pauta de um site japonês. Não dá para saber se falam bem ou mal do nosso projeto, mas vale o registro. ( ;



10 de fev de 2012

Marca histórica: Concurso #Instasampa_Jameson bate 5.000 fotos postadas.

   Acima a tela histórica: 5 mil fotos de SP num único concurso fotográfico. Abaixo a imagem postada esta semana. Trinta fotos selecionadas estão expostas no Posto 6.


     

Hoje, 9 de fevereiro, passados pouco mais de 40 dias desde o início do concurso InstaSampa_Jameson, alcançamos o fantástico número de 5.000 fotos postadas. São 5.000 fotografias de São Paulo feitas por centenas de fotógrafos amadores e profisionais. É provavelmente o maior registro fotográfico da história da cidade de São Paulo numa única plataforma. A ideia deste concurso é criar uma interação online entre os usuários, tendo como foco imagens da metrópole: as paisagens, os moradores, os cartões-postais, os flagrantes, os deslocamentos, os encontros, a cultura, a arquitetura, suas características. O vencedor deste concurso ganhará uma viagem para Nova York com direito a um acompanhante. Tudo pago pela Jameson.
As imagens devem ser postadas até 0h do dia 15/02/2012. Ainda dá tempo! O hashtag é #InstaSampa_Jameson. 
Uma primeira seleção será feita pelos curadores da Mostra SP de Fotografia nos dias 15 e 16 de fevereiro e a tarefa de escolha da foto vencedora acontece no dia 24 do mesmo mês de fevereiro. Passaremos para este segundo corpo de jurados apenas 50 imagens.  Os convidados para o júri final são Andrea Matarazzo, Secretário de Estado da Cultura, Georgia Quintas, coordenadora da Pós-graduação em Fotografia da FAAP, Pio Figueroa, fotógrafo do coletivo Cia de Foto e Diógenes Moura, Curador de Fotografia da Pinacoteca. 

5 de fev de 2012

Visita Guiada Canon - 2 horas com Otto Stupakoff

    Bico Stupakoff, entre Juan Esteves e Armando Prado, falou sobre a vida do pai.

Em 1976 o avô de Bico e bisavô de Lucas havia falecido e o filho, Otto Stupakoff, resolveu abandonar Paris e repatriar, voltar a viver no Brasil. Otto vendeu o Mercedez Benz para um cigano, tirou o dinheiro do banco, distribuiu a grana pelos sapatos dos 4 filhos e todo mundo embarcou rumo a SP. Era 1976, os militares brasileiros tomavam conta dos aeroportos, todo mundo era suspeito de tudo, um radinho de pilha na bagagem era uma novela. Uma boa carga de francos daria quase sessões tortura no quartinho. A obra de Otto Stupakoff  é fantástica e essa todo mundo conhece ou deveria conhecer. A vida fora dos editoriais de moda e publicidade é mais genial ainda. E quase não há referência dela em livros. Casado com Miss Universo, amante de Sophia Loren, amigos de personalidades, incendiou o próprio acervo e protagonizou passagens memoráveis em Bangkock, Camboja e Ártico. Otto era jogador e perdia dinheiro da mesma forma com que ganhava, amava carrões europeus, tinha um trabalho desconhecido como pintor e escultor e a relação com os amigos no Brasil envolveu declarações públicas desconcertantes para alguns bigshots da sociedade...  uma jornada de 74 anos que é um misto de James Bond em 007 Contra Octopussy e John Malkovich em Sheltering Sky. Com alguns momentos de nouvelle vague a la La’censeur Pour Le Echaufaud. O legado pessoal de Otto é um roteiro pronto e foi esse lado B de sua vida que foi discutido sábado, dia 5 de fevereiro, no Espaço Canon. Os que tiveram oportunidade de participar desta primeira Visita Guiada Canon com Bico Stupakoff, Juan Esteves e Armando Prado devem ter curtido a trip. 
Sábado que vem iremos fazer uma outra Visita Guiada. O tema e horário serão divulgados dia 8 de fevereiro aqui mesmo. [FCN]
    Bico foi assistente do pai em NY, o acompanhou no Cambodja...


    Maurício Lima, Thyago Nogueira e Belém estavam lá.

3 de fev de 2012

Dois documentários sobre a Mostra SP de Fotografia.




O diretor Pedro Barbosa, da Ação Meio Ambiente, está gravando um documentário sobre São Paulo por meio de algumas das fotografias que fazem parte das 30 exposições da Mostra. São entrevistas e captação de campo onde cada um dos entrevistados conta um pouco sobre seu trabalho, a relação com a cidade e o porque da obra. Já foram entrevistados Felipe Russo, na foto acima, Carlos Dadoorian, Paulo do coletivo Garapa, alguns integrantes do Galeria Experiência, Elisabetsky, Armando Prado falou sobre a curadoria dos trabalhos e eu contei sobre o projeto da Mostra em si. Em breve o doc. de 25 minutos estará disponível no site da Ação meio Ambiente, num canal de TV estatal da Alemanha e em outras plataformas. Amanhã é a vez de Felipe Morozini e o taxista Cigano contarem as suas versões. Cigano mora no seu taxi há 17 anos e é protagonista do ensaio do Danilo Verpa e Leonardo Wen. 
Um outro documentário com um foco um pouco diferente foi produzido simultaneamente pela Subvert. Em breve o link aqui. FCN.

     Pedro, à direita, conversa com Felipe Russo sobre guaritas de segurança expostas na loja Farm da Rua Harmonia. Na sequência, Paulo Fehlauer do Coletivo Garapa, ao fundo, falou sobre o projeto Deslocamentos, fincado no portão do número 673 da rua Aspicuelta, em frente ao Posto 6. 

detalhe _ Lambe no Poste.

     Seu Zé aprovou o lambe lambe do Pietro na Girassol. Clic feito com a nova Canon PowerShot G1-X.

1 de fev de 2012

Visita Guiada Canon_ Uma conversa fotográfica sobre o lado B do mago Otto Stupakoff [1935 – 2009]

     Juan Esteves fez os últimos clics de Otto Stupakoff.

Sábado, dia 4 de fevereiro, 11h da manhã, Armando Prado, Juan Esteves, Thyago Nogueira e Bico Stupakoff irão conduzir a mesa para discutir o trabalho do mais importante fotógrafo de moda brasileiro, Otto Stupakoff.
Dez fotos do primeiro portifólio de Otto estão expostas no Espaço Canon, Rua Aspicuelta, 207, e mostra um pedaço da produção do artista entre os anos 1955 e 1963. Com este portifólio, aos 30 anos de idade, Otto desembarcou em Nova York e trilhou uma importante carreira fotografando para diversas publicações como Life, Harpers Bazar, Vogue, Cosmopolitam Esquire… e se firmou com um dos mais importantes fotógrafos em atividade. Também em NY, como retratista, mirou suas lentes para alguns dos protagonistas das décadas de 60 a 80 e deixou um importante legado. O presidente norte Americano Richard Nixon, Truman Capote, Jack Nicholson, Bette Davis, Sharon Tate entre tantas outras celebridades são alguns deles dos retratados por ele. Otto Stupakoff regressou ao Brasil em 2005 e em 2008, ainda em vida, todo o seu arquivo foi adquirido pelo Instituto Moreira Salles. Entre o pioneirismo na fotografia, amizades importantes, viagens, 3 casamentos, seis filhos e uma vida bastante polêmica, é certo afirmar que nenhum outro brasileiro alcançou tamanha notoriedade.
Dia 4, próximo sábado a trajetória do fotógrafo e histórias inéditas estarão sendo discutidas no Espaço Canon. Chegue cedo, as vagas são limitadas.

Quando: dia 04/02, 11h
Onde: Espaço Canon, R. Aspicuelta, 207, Vila Madalena
Os lugares são limitados.